,

Parque Natural de Montesinho: a Brama dos Veados

Num dos últimos fins-de-semana rumei a Trás-os-Montes para conhecer o Parque Natural de Montesinho. A grande desculpa para esta escapadinha foi a Brama dos Veados, que decorre de meados de setembro a outubro. Contudo, pude vivenciar muito mais: conheci uma das aldeias maravilha de Portugal, Rio de Onor, visitei o centro de Bragança e ainda descobri as iguarias transmontanas. Tudo de bom. Então, vamos lá.

Parque natural de montesinho

O Parque Natural de Montesinho

O Parque Natural de Montesinho fica na Rota da Terra Fria, a região que regista todos os anos as temperaturas mais baixas de Portugal. Com cerca de 750km², a região é conhecida pelos campos de castanheiros e pelos inúmeros veados, javalis e raposas que aqui habitam.

parque natural de montesinho

Com elevações arredondadas e vales encaixados, as altitudes variam entre os 438m e os 1481m. Sem subidas muito íngremes, pareceu-me um local ideal para longas caminhadas. É uma terra de muito xisto, o que se pode ver pelas construções das casas.

parque natural de montesinho

Conheçam os Percursos Pedestres do ICNF. Lá encontram os folhetos sobre 6 trilhos que idealmente poderão ser feitos entre a primavera e o outono.

A Brama dos Veados: O que é?

Entre o início de setembro e o fim de outubro decorre no Parque Natural de Montesinho o momento ideal para a observação de veados no seu habitat natural: a Brama dos Veados. É esta a altura de acasalamento, em que os veados machos procuram locais mais descampados e abertos para darem nas vistas e se mostrarem às fêmeas. Tornam-se mais visíveis e emitem berros bem altos. Tudo isto acontece pela fresquinha: inicia-se de madrugada e os veados são vistos até meio da manhã, dependendo da temperatura do dia. Depois disso, recolhem para descansarem, escondendo-se na serra.

Parque natural de montesinho

Ora muito bem, para assistir a este espectáculo, é preciso madrugar. Acordei pelas 6h00 e às 7h00 estava a sair de Bragança de jeep com destino ao Parque Natural de Montesinho. Depois de alguns quilómetros, seguimos por um caminho de terra batida, parando ao primeiro avistamento. E digo-vos, é um momento único.

Saímos do jeep e é-nos pedido silêncio. Procuramos com o olhar entre os arbustos. Ficamos quietos e, finalmente, eles aparecem. Ao longe, vimos os primeiros veados do dia. Neste caso, não há berros, é apenas uma fêmea isolada. Aproximo-me devagar para tentar capturar o momento, mas os meus passos na folhagem acusam-me e ela foge em direção às árvores. Apesar de verem mal, os veados têm muito bom ouvido.

Parque natural montesinho

Seguimos de jeep em busca de mais veados. E não tardamos a encontrá-los. O Parque Natural de Montesinho guarda a maior reserva nacional de veados e a brama é a altura do ano em que estes animais perdem o medo.

Paramos o jeep e continuamos a pé pela terra batida, até chegar a um planalto. Por aqui, os bramidos dos veados ecoam à nossa volta, por entre a paz inigualável da serra. Mal nos vêem, correm pela serra acima, num espectáculo emocionante de assistir, principalmente de binóculos.

Parque natural de montesinho

A manhã aquece depressa e os veados começam a dispersar. Estamos no início de setembro e pelas 10h00 já não conseguimos vislumbrar nenhum animal. Dizem-nos que nos próximos fins-de-semana até final de outubro se verão cada vez mais veados, até mais tarde. Mas para mim bastou.

Vamos ainda a Rio de Onor, recentemente eleita uma das sete aldeias maravilha de Portugal, mas vou já de coração cheio e com uma memória que ficará comigo durante muito tempo.

Parque natural de montesinho

Dicas para o Parque Natural de Montesinho

– Localizado na Rota da Terra Fria, o Parque Natural de Montesinho é ideal para atividades ao ar livre, principalmente entre a primavera o o início do outono. Conheçam aqui os percursos pedestres. Há também passeios organizados, que podem ser feitos de barco, a pé, de jeep, de bicicleta ou de burro. Aqui encontram algumas opções, ideais para o fim-de-semana. O meu passeio ficou a cargo da Anda D’i, e incluiu a visita a Rio de Onor, um passeio pelo centro histórico de Bragança e a visita à Quinta do Bísaro.

– Além da beleza natural, não deixem de visitar algumas das povoações da região. Rio de Onor foi recentemente eleita uma das 7 aldeias maravilhas de Portugal, mas existem outras. Dine, Gimonde, Guadramil, Moimenta e Montesinho são outras aldeias por onde vale a pena passar.

– Há belas cascatas e rios nesta região. Apesar de estar normalmente seca durante o verão, entre outubro e abril, diz-se que a cascata do Lamoso (Faia da Água Alta) é a mais bela, com uma queda de água de mais de 40 metros.

– Para ir a banhos, há a Praia Fluvial da Ponte da Soeira, a do Rabaçal, a do Colado no Rio Maçãs (em Quintanilha), a de Fresulfe (em Mofreita) e a da Ponte da Arranca. Vejam aqui as localizações exatas.

Onde ficar em Montesinho

Eu fiquei alojada no Hotel S. Lázaro, em Bragança. É um grande hotel standard, fora do centro histórico da cidade e numa zona com pouco charme. A estrutura do hotel é antiquada e o mobiliário está a precisar de ser renovado. Ainda assim, serviu as necessidades e o jantar até surpreendeu. Contudo, existem outras opções de Alojamento em Bragança. Procurem no Booking para Bragança, o site de alojamento que normalmente utilizo para as minhas viagens.

Onde comer em Montesinho

Só pela gastronomia transmontana, vale a pena uma escapadinha ao Parque Natural de Montesinho. Alheiras e morcelas das melhores que há, muita cozinha à base de castanha, e carne de caça com fartura.

Restaurante O Javali

Este é sem dúvida um restaurante ao qual quero regressar. Estava tudo ótimo. As entradas de enchidos, queijo e castanhas assadas estavam deliciosas. Devorei a pasta de azeitona caseira em três tempos. A sopa de castanha com presunto fez-me desejar que o inverno chegasse depressa. E o prato principal foi javali com pão torrado, como não podia deixar de ser. Normalmente este tipo de carne não é da minha preferência, mas estava tão bem cozinhado e no ponto, que a carne tenra se derretia na boca. Para terminar, toda a doçaria é caseira: o pudim de castanha, a tarte de grão-de-bico e o gelado de ameixa com crocante de chocolate.

O restaurante O Javali fica na Quinta do Reconco, Estrada do Portelo, a 6km de Bragança. Para reservas, utilizar o número +351 273 333 898 ou e e-mail restaurantetipicoojavali@hotmail.com.

restaurante no parque natural de montesinho

restaurante no parque natural de montesinho

restaurante no parque natural de montesinho

restaurante no parque natural de montesinho

Restaurante O Poças

O restaurante O Poças fica localizado no centro histórico de Bragança. Com um semblante mais gourmet, aqui fomos prendados com enchidos e pastéis de bacalhau para entrada. Para refeição principal tivemos porco bísaro com puré de castanha e de maçã. Não me encantou tanto como o O Javali, mas é uma boca opção para quem está pelo centro.

O restaurante O Poças fica na R. Combatentes da Grande Guerra, em Bragança. Para reservas, poderão utilizar o número +351 273 331 428.

restaurante no parque natural de montesinho

restaurante no parque natural de montesinho

restaurante no parque natural de montesinho

Como chegar a Montesinho

Bragança fica a 500km de Lisboa e 200km do Porto. De carro, de Lisboa demora-se 4h45 e do Porto 2h00. Para explorar a zona numa viagem mais independente, é conveniente ter carro. Vejam aqui onde alugar carro.

Caso tenham um programa que inclua tours, poderão ir de transportes públicos, como eu fiz. A Rede de Expressos tem autocarros diretos de Lisboa, do Porto e de outros pontos do país. Existe ainda a opção de ir de avião. Para Bragança, a Sevenair oferece voos diários de Portimão, Lisboa (aeródromo de Cascais), Viseu e Vila Real. Os preços são fixos e de Lisboa, a viagem até Bragança demora 1h30 e custa cerca de 100€, ida e volta.

Parque natural montesinho

Gostaram do artigo? Leiam também mais artigos sobre o Norte de Portugal e o artigo sobre Rio de OnorSe gostaram de artigo, podem seguir o Facebook do Contramapa, o Instagram e o Twitter.

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

Novidades, dicas de viagem e promoções diretamente na tua caixa de entrada. Introduz o teu e-mail para saber tudo em primeira mão.

CONTRAMAPA

13 comentários
  1. Pedro Henriques
    Pedro Henriques says:

    Olá Diana, adoro este cantinho de Portugal e aqui há uns tempos fiz um percurso por terras transmontanas com um trilho pelo Montesinho. Também fiquei alojado na aldeia numa casa particular a um preço muito interessante!

    Responder
  2. Paola
    Paola says:

    Adoro visitar parques naturais nos lugares que vou e gostei de saber da existência desse! Nunca vi um veado assim tão perto (na verdade não sei se já vi veado pessoalmente alguma vez na vida além de zoo quando era criança). Seria interessante fazer esse passeio pra viver essa experiência!

    Responder
  3. Ana
    Ana says:

    Que lugar bonito! Que interessante deve ser ver ao vivo e em seu habitat natural os veados.
    Contudo, vou confessar que a melhor parte para mim foi a da gastronomia: a cozinha portuguesa é uma perdição para mim!!!! 🙂 Os doces que se fazem por ai então…

    Responder
  4. Viviane Carneiro
    Viviane Carneiro says:

    Nossa… que lugar mais lindo! Adorei o post e as fotos maravilhosas. Já quero conhecer. E essas comidinhas deliciosas. Amei tudo. Parabéns pelo post! Bjs

    Responder

Deixa um comentário

Gostaste do artigo?
Tens dicas para partilhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.