O que fazer em Coimbra – 16 Locais a Não perder!

Coimbra é uma lição, de sonho e tradição, já cantava a bela Amália Rodrigues. E é verdade. É uma das cidades mais importantes em Portugal em termos históricos. Foi habitada por romanos e árabes, e foi aqui que nasceu D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, que viria a tornar Coimbra capital do país. Banhada pelo rio Mondego, a cidade viria a ser palco dos amores de Pedro e Inês, e acolheu também a primeira universidade do país, que é hoje uma das mais antigas da Europa e património da UNESCO. Para vos ajudar a descobrir o que fazer em Coimbra, elegi 16 locais a não perder na cidade. Ora vejam…

o que fazer em coimbra

A observar a Alta de Coimbra a partir do bar panorâmico do Hotel Oslo. Encontrem alojamento em Coimbra aqui.

O Que Fazer em Coimbra

1 – Universidade de Coimbra

Fundada em 1290 pelo rei D. Dinis, a Universidade de Coimbra fixou-se definitivamente em Coimbra em 1537.

Aqui, podemos ver o Paço das Escolas, o complexo arquitectónico que albergou as faculdades a partir do século XVI. Antes de pertencer à universidade, o espaço foi o primeiro Paço Real de Portugal, local onde nasceram e viveram os primeiros Reis de Portugal.

Após entrarmos pela Porta Férrea, temos alguns edifícios de visita obrigatória: A Biblioteca Joanina, a Capela de São Miguel,  a Torre da Universidade e o edifício principal onde se localiza a Via Latina (longa varanda) e a Sala dos Capelos.

visitar universidade de coimbra

Do outro lado da Universidade e fora do Paço das Escolas, existe o Museu da Ciência, que também merece uma visita. O Museu é constituído por dois edifícios: o Laboratório Chimico e o Colégio de Jesus.

Laboratório Chimico foi transformado num Museu interactivo, onde podemos ver como funcionava o ensino de Química em Portugal e realizar experiências, sendo um espaço para todas as idades. No Colégio de Jesus podemos aqui as coleções de física, zoologia, geologia, mineralogia e paleontologia. Uma autêntica visita à história natural feita pelos investigadores da universidade no século XVIII!

visitar universidade de coimbra

Mas existe mais a explorar! No total, existem 21 edifícios a visitar na Alta e 10 edifícios a visitar na Sofia.

Existem diversos preços para a entrada nos locais dependendo do que se quer visitar. Consultem aqui os diferentes programas para visita. Se vêm da Baixa da cidade para  a parte Alta, podem utilizar o Elevador do Mercado, nas traseiras da Igreja de Santa Cruz. Poupa-vos as pernas e ainda podem tirar algumas fotografias. Uma viagem tem o custo de 1 euro.

2 – Mosteiro e Igreja de Santa Cruz

O Mosteiro localizado na baixa de Coimbra foi fundado em 1131 pela Ordem de Santo Agostinho, mas foi amplamente renovado no século XVI por D. Manuel I.

O edifício principal a visitar no Mosteiro é a Igreja de Santa Cruz, já que aqui se encontram sepultados os dois primeiros reis de Portugal, D. Afonso Henriques e D. Sancho I. As esculturas tumulares que vemos junto ao altar são da época manuelina, com a esfera armilar e a cruz da Ordem de Cristo.

Nas traseiras do Mosteiro, existe o Jardim da Manga (ou Claustro da Manga). Apesar de hoje ser independente, o jardim fez parte do Mosteiro, datando do século XVI.

A entrada é gratuita.

o que fazer em coimbra

3 – Sé Velha de Coimbra

Construída num estilo românico, a Sé Velha é do tempo de D. Afonso Henriques e merece uma visita, mesmo para aqueles que não são muito fãs de igrejas. Lá está sepultado D. Sesnando, um moçárabe que foi governador da cidade de Coimbra antes de D. Afonso Henriques.

A Sé Velha é um edifício imponente que lembra um pequeno castelo. A fachada principal tem até uma pequena torre avançada na entrada e dois contrafortes que lhe dão um aspecto robusto. Além do espaço interior, visitem também o claustro. Construído num estilo gótico, tem um pequeno jardim no centro.

A entrada na Sé Velha custa 2,5 euros.

4 – Sé Nova de Coimbra

Se gostam de visitar monumentos religiosos, a Sé Nova é também um local obrigatório. Inaugurado no final do século XVII pelos jesuítas, tem elementos maneiristas e barrocos.

A entrada custa 1 euro.

5 – Museu Nacional Machado de Castro

Este é o museu mais importante de Coimbra e obrigatório num lista sobre o que fazer em Coimbra. Tem um espólio de escultura, pintura e artes decorativas, ocupando as antigas instalações do Paço Episcopal de Coimbra (onde funcionava a antiga Igreja São João de Almedina).

No piso inferior do Museu existe o criptopórtico romano, com uma vasta rede de galerias e espaços comunicantes. Era este espaço que anteriormente suportava o fórum romano. Existe também o antigo Paço Episcopal que acolhe salas multimédia e exposições temporárias, e o edifício novo, que acolhe grande parte da coleção do museu, incluindo também uma bela esplanada com serviço de cafetaria. Mais informação, aqui.

Entrada no Criptopórtico: 3 euros | Entrada completa no Museu: 6 euros

o que fazer em coimbra

6 – Jardim Botânico da Universidade de Coimbra

Inaugurado no século XVIII pelo Marquês de Pombal, o Jardim Botânico é constituído por mais de 13 hectares. Não deixem de passear pela Alameda das Tílias, pela Estufa Grande, Estufa Fria e pelo Fontanário. No Recanto Tropical, além de palmeiras e diferentes espécies, vão também encontrar os arcos do Aqueduto de São Sebastião. Conheçam aqui todos os espaços do Jardim Botânico ao pormenor.

A entrada no Jardim Botânico é gratuita.

7 – Quinta das Lágrimas

Conta a lenda que Inês de Castro – a amante do infante D. Pedro – foi assassinada neste local a mando do pai, o rei D. Afonso IV. Esta é talvez a mais bela história de amor em Portugal, romantizada vezes e vezes sem conta, e eternizada neste local. Leiam aqui a história de amor completa.

A Quinta das Lágrimas, apesar de pertencer a um hotel de mesmo nome, pode ainda hoje ser visitada. Consta que foi junto à Fonte das Lágrimas que Inês foi assassinada e que o sangue que escorreu ficou marcado nas algas, ainda hoje vermelhas.

A entrada nos Jardins custa 2 euros.

o que fazer em coimbra

8 – Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

O convento gótico foi fundado pela Rainha Santa Isabel no século XIV, mas as ruínas ainda hoje podem ser visitadas. O local tem uma grande imponência, mas esteve abandonado desde o século XVII durante muito tempo, devido às cheias constantes provocadas pelo rio Mondego. Além do Mosteiro, a Rainha Isabel mandou erigir também um hospital para os pobres e um Paço, onde viria a viver depois de enviuvar de D. Dinis.

Hoje, a visita ao mosteiro engloba as ruínas, o espólio arqueológico conventual e a exibição de filmes. A entrada no Mosteiro custa 4 euros.

o que fazer em coimbra

9 – Mosteiro de Santa Clara-a-Nova

No século XVII foi erigido um novo Mosteiro de Santa Clara, que veio substituir o mais antigo. Construído no estilo barroco, é aqui que jaz a Rainha Santa Isabel, no túmulo original que data do século XIV.

A visita total ao complexo, incluindo a exposição permanente e o miradouro sobre a cidade, custa 5 euros.

10 – Alta Medieval de Coimbra

Além dos edifícios da Universidade, a região mais alta da cidade de Coimbra tem outros edifícios importantes que remontam à época medieval. Por aqui fica o Palácio Sub-Ripas, a Torre da Contenta e a Torre de Anto.

Para entrar na Alta da cidade não deixem de passar pela Porta e Torre de Almedina, a entrada principal para a cidade intra-muros, que marca a divisão entre a Alta e a Baixa de Coimbra. É antecedida pela Porta da Barbacã, que fazia parte da segunda cintura muralhada da cidade.

o que fazer em coimbra

Do lado esquerdo: a Porta da Barbacã; Do lado direito: a Porta de de Almedina

11 – Convento de São Francisco

Depois de um projeto de requalificação, o Convento de São Francisco reabriu em 2016 como um espaço cultural com uma agenda diversificada para todos os gostos. De concertos a peças de teatro e espectáculos de dança. Se estiverem de visita à cidade de Coimbra, não deixem de consultar a Agenda do Convento, pode ser que exista algo que vos interesse.

12 – Mata Nacional do Choupal

Com uma área de 79 hectares, este é o local predilecto para as atividades ao ar livre dos locais, já que tem percursos para corrida, caminhada e bicicleta. Dá para ir a pé a partir do centro da cidade e vai percorrendo a área ao longo do rio Mondego.

A é entrada gratuita.

13 – Penedo da Saudade

Este parque e miradouro da cidade está ligado à tradição académica. Além da vista sobre a parte oriental da cidade, podemos admirar as inúmeras placas comemorativas que os estudantes e ex-estudantes aqui deixaram para a posteridade. Esta tradição começou em 1855 mas mantém-se nos dias de hoje.

A entrada é gratuita.

14 – Parque Verde do Mondego, Ponte Pedro e Inês e Parque Manuel Braga

A margem do rio Mondego é uma zona cheia de vida, com restaurantes e bares. Junto às margens existem dois parques: o Manuel Braga, junto aos restaurantes e o Verde Mondego, com piscinas naturais no rio. Para atravessar o rio, passem pela Ponte pedonal Pedro e Inês.

15 – Portugal dos Pequenitos

O que fazer em Coimbra com crianças? O Portugal dos Pequenitos é um parque temático obrigatório! Possui várias áreas temáticas e permite que os miúdos e graúdos façam uma viagem aos monumentos mais emblemáticos e à História de Portugal de uma forma divertida. Saibam aqui mais sobre o que podem lá encontrar.

A entrada custa 9,95 euros.

o que fazer em coimbra

16 – Escadas Monumentais

Um dos lugares mais emblemáticos para os estudantes de Coimbra, é aqui que os caloiros costumam ser praxados. Construída na década de 50, a escadaria de 125 degraus une a Praça D. Dinis à Praça da República. Diz-se que o número de vezes que se tropeça na escadaria ao longo do ano é o número de cadeiras a que se vai chumbar nesse ano…

Na Praça da República existe ainda o Teatro Académico Gil Vicente, com uma programação variada. Consultem a agenda aqui.

São 16 locais, mas podiam ser 20, ou 30 para vos ajudar a decidir o que fazer em Coimbra. É uma cidade rica em história e em cultura e há muito para descobrir! Nesta viagem fiquei alojada nos Coimbra Vintage Lofts Apartments e no Riversuites Hotel. Vejam a minha opinião sobre estes alojamentos aqui, onde relato a minha experiência na cidade.

Se gostaram do artigo, acompanhem o Contramapa no Facebook, Twitter e Instagram. Caso queriam algo mais detalhado, conheçam os Roteiros Personalizados do Contramapa.

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

Novidades, dicas de viagem e promoções diretamente na tua caixa de entrada. Introduz o teu e-mail para saber tudo em primeira mão.

CONTRAMAPA

20 comentários
  1. Anna BaS2
    Anna BaS2 says:

    Nunca pensei que visitar uma universidade seria uma atração turística, não pensie como um espaço desse pode ser tão importante e legal de se conhecer.

    Mas o que eu mais gostei na sua postagem foi sobre quinta das lágrimas, e poder pensar (ainda que de forma fantasiosa) que o sangue está eternizado sz… isso é muito poetico sz

    Responder
    • Maria Teresa Cabugiera
      Maria Teresa Cabugiera says:

      Universidade de Coimbra A sua história remonta ao século seguinte ao da fundação da nação portuguesa, dado que foi criada a 1° de março de 1290, quando o rei D. Dinis I assinou em Leiria o documento Scientiae thesaurus mirabilis, criando a universidade, o qual foi intermediado e confirmado pelo Papa. Fixada definitivamente em Coimbra em 1537, sete anos depois todas as suas faculdades se instalam no antigo Paço Real da Alcáçova (denominado Paço das Escolas após a sua aquisição pela Universidade de Coimbra em 1597)………..ACHA QUE É POUCO OU ´MESMO ESTUPIDEZ NATURAL O SEU COMETÁRIO RIDÍCULO….JÁ LÁ FOI?????…..pois deve ser mesmo analfabeta….Olhe acho mesmo melhor não ir….mais vale cair em graça do que ser mesmo palhaço….Em relação à Quinta das Lágrimas nem comento e agradeço de novo que não vá estragar o que de bem há por lá….Nunca vá visitar monumentos históricos é mesmo burra….Deve ter acabado de sai da casa dos Segredos ou dos Degredos só pode.

      Responder
      • contramapa
        contramapa says:

        Olá Maria Teresa,
        É natural que a Anna não conheça a Universidade de Coimbra e a sua história, dado que ela é brasileira… Eu também não conheço quais são as universidades históricas do Brasil…
        É muito bem-vinda ao Contramapa e espero que se torne uma leitora assídua. Contudo, peço-lhe que nos próximos comentários seja menos agressiva. Aqui no Contramapa gostamos de gente tolerante e de criar uma comunidade com base no respeito do outro.
        Obrigada,

        Responder
  2. Ruthia
    Ruthia says:

    Olá Diana. Sou de Guimarães, por isso o D. Afonso Henriques diz-me muito. O seu post ainda reacende a guerrilha acerca do local de nascimento do primeiro rei :): Guimarães, Viseu, Coimbra… nada está provado! Mas pode, com toda a segurança, afirmar que ele tem aí os ossos!
    Abraço, é sempre um prazer regressar a Coimbra, onde conclui o meu mestrado ainda antes da classificação da Unesco.
    Ruthia d’O Berço do Mundo

    Responder
      • Albertina Semedo
        Albertina Semedo says:

        Também não é importante o sítio o de nasceu, o importante é ter nascido em Portugal, não acham?…e é graças a ele que hoje não somos o condado portucalense…ou seja um pequeno território espanhol…

        Responder
  3. Gisele
    Gisele says:

    Morei em Portugal por 4 anos. Viajei o país de norte a sul mas cometi o pecado de não visitar Coimbra. Fiz Uma passagem mas não conta. Preciso voltar e já estou anotando suas dicas. Adorei!

    Responder
  4. Catarina Gralha
    Catarina Gralha says:

    Agora que penso nisso, estive em Coimbra uma vez, há muitos anos atrás… Era pequena e não me lembro de muito: recordo-me do Portugal dos Pequenitos e de Conímbriga . Tenho, sem dúvida, de regressar. Existem imensos sítios bonitos a explorar nessa cidade, tão rica em história.

    Responder

Deixa um comentário

Gostaste do artigo?
Tens dicas para partilhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.