Em 2015 já tinha visitado Marvão e Castelo de Vide, as duas vilas mais conhecidas na Serra de São Mamede. Cinco anos depois, decidi regressar para explorar outras zonas da região, mais remotas e em contacto mais direto com a natureza. Descobri povoações raianas onde a tradição sobrevive nos dias de hoje e uma natureza quase intacta, protegida nas encostas da serra.

serra de são mamede

Pedalar pelos caminhos do comboio

Já tinha elogiado o Train Spot em 2015 e sabia que um dia iria regressar. Voltar a este alojamento é também recordar a história dos caminhos de ferro em Portugal.

A desativada estação de Marvão-Beirã foi, em tempos, uma importante paragem na ferrovia portuguesa. Parte integrante do ramal de Cáceres, foi inaugurada em 1880 e obteve grandes obras de extensão em 1926. Estávamos no início da Ditadura Militar e a estação tinha sido alargada para incluir uma delegação aduaneira de controlo do trânsito de pessoas e mercadorias. Na altura, foram também construídos edifícios para o alojamento dos trabalhadores, e um anexo com restaurante e pensão, para que os viajantes pudessem aguardar pela aprovação aduaneira para atravessar a fronteira.

visitar marvão portugal

E assim, graças ao controlo fronteiriço, a Beirã floresceu durante as décadas da Ditadura Militar e do Estado Novo. Com a queda do regime e a adesão à União Europeia (e ao espaço Schengen, ao qual Portugal aderiu em 1991), a estação de Marvão-Beirã foi, pouco a pouco, perdendo a sua importância. Os comboios regionais do ramal de Cáceres foram suprimidos em 2011, e, no ano seguinte, o Lusitânia Comboio Hotel deixou também de passar por esta linha, encerrando-se, então, definitivamente o ramal de Cáceres.

Hoje, o edifício transformado num alojamento preserva a aura dos tempos passados. Na fachada exterior da estação ainda podemos ver os 13 painéis de azulejo, em azul e branco, que retratam diferentes locais nacionais e davam as boas-vindas a quem chegava a Portugal: o Castelo de Marvão, o Templo de Diana (Évora), o Mosteiro de Alcobaça e a Sé de Braga são alguns dos exemplos.

Nos carris, é um neo-zelandês que devolveu a vida à linha ferroviária. Trocando a azáfama de Barcelona e Lisboa pela Serra de São Mamede, Lenny MacLeode criou a Rail Bike Marvão. Em vez de carruagens movidas a eletricidade, partes do ramal de Cáceres podem agora ser percorridas a pedal, através das bicicletas criadas pelo Lenny.

serra de são mamede

Durante duas horas pedalei 15 quilómetros por entre os sobreiros e carvalhos da Serra de São Mamede. O ponto alto do percurso é à chegada à Ponte da Ribeira de Vide, a 30 metros de altura do curso de água, e com um vagão de 108 metros. É neste ponto que se os carris mudam de direção e se inicia a viagem de regressar à estação ferroviária de Marvão-Beirã.

Na rota no contrabando do café

Visitar zonas de fronteira é também ver de perto as rotas do contrabando que existiram em Portugal, especialmente na época após a Guerra Civil espanhola, em que muitos portugueses e espanhóis atravessavam a fronteira a monte para trocarem mercadorias com o país vizinho.

Para conhecer melhor esta realidade, fiz ao Percurso do Contrabando e do Café (PR4 MRV) do Parque Nacional de São Mamede. Iniciei o percurso junto à igreja de Galegos e entrei mato adentro ao longo de 6 quilómetros.

serra de são mamede

serra de são mamede

No pico da explosão da primavera, encontrei um trilho verde com ervas que me davam quase até à cintura. No caminho isolado onde o sobreiro é rei não encontrei vivalma, mas fui passando por vários animais: porcos, cavalos, burros e ovelhas. Atravessei também veredas bastante estreitas, algumas em calçada medieval e ladeadas de muitos sobreiros.

Numa das encruzilhadas pude distinguir o Castelo de Marvão ao longe, num pequeno planalto. O caminho deu-me ainda a conhecer povoações fronteiriças, incluindo uma espanhola, La Fontañera, onde os contrabandistas guardavam o café que, depois, distribuíam pelas povoações espanholas.

serra de são mamede

serra de são mamede

serra de são mamede

Era por estes caminhos sinuosos que muitos se arriscavam na calada da noite, enfrentando a escuridão da serra e  engolindo o medo da guarda fiscal e dos carabineros. Tentavam fugir desesperadamente à vida de pobreza e miséria generalizada que se vivia na raia alentejana na época de Salazar e Franco.

Eu cresci com a memória destas histórias, já que um desses contrabandistas que furavam a noite e viviam entre dois países foi o meu avô, nascido em Espanha e acolhido num monte raiano alentejano a partir da guerra civil que rebentou no país vizinho. Foi, de facto, a partir desta altura e até meados dos anos 60 que a mercantilização clandestina entre Portugal e Espanha mais se acentuou.

Mais natureza na Serra de São Mamede

Depois de ter exausto as energias a pedalar e a andar, tirei algum tempo para relaxar na natureza do Parque Natural da Serra de São Mamede.

A primeira paragem foi na Barragem da Apartadura, que encontrámos deserta e com águas transparentes. Sem qualquer infraestrutura balnear, há, contudo, vários espaços entre os pinheiros para estender a toalha e gozar do isolamento. A única coisa que impediu de dar um mergulho, foi mesmo a temperatura. As nuvens negras aproximavam-se e ameaçavam romper-se.

serra de são mamede

A próxima paragem foi em Portagem, uma pequena povoação do concelho de Marvão, assim denominada porque por aqui passavam os judeus expulsos pelos reis católicos, que fugiam à Inquisição Espanhola que se iniciou no século XV. A ponte medieval que assinalava a fronteira e a torre onde era paga a “portagem” ainda sobrevivem hoje e dão encanto à povoação.

Em jeito de despedida da região, passei também pela Cascata do Pego do Inferno, já a caminho de Portalegre. Diferente da sua homónima no Algarve, a queda de água da Serra de São Mamede cria um poço natural, para o qual é necessário descer com cuidado. É fácil de encontrar, mas mais uma vez, a temperatura impediu de dar um mergulho. Fica a promessa de regressar à serra com temperaturas mais confortáveis ao estado líquido.

cascata de pego do inferno serra são mamede

Onde ficar na Serra de São Mamede – Alojamento

Em 2015 eu já tinha recomendado o Train Spot, que continua a ser o meu local preferido na região, pela sua originalidade e pela simpatia de quem nos recebe. Não é todos os dias que nos deparamos com uma estação de comboios convertida em estalagem. Leiam aqui o que escrevi na altura sobre este alojamento.

Contudo, existem muitas opções na região de Marvão e Castelo de Vide, e um pouco por toda a Serra de São Mamede. Por exemplo, a Estalagem de Marvão fica dentro das muralhas da vila e oferece quartos bastante cómodos e restaurados com cuidado. Já em Castelo de Vide, o Convento Senhora da Vitória tem também quartos tradicionais alentejanos, e acesso a uma piscina, com preços bastante simpáticos.

Onde comer na Serra de São Mamede – Restaurantes

As minhas recomendações gastronómicas nesta região estão neste artigo. Contudo, nesta viagem fiquei a conhecer mais dois restaurantes, que ficam na povoação de Beirã: o Sabores de Marvão e o Sopas e Petiscos.

Dos dois, o meu preferido foi, sem dúvida, o Sopas e Petiscos. Não há página na internet nem fotografias para o provar, mas aqui experimentei o melhor que o Alentejo tem para oferecer: uma hospitalidade sem limites e petiscos feitos na hora com produtos locais: omelete de espargos, tábua de queijos e as melhores pataniscas de bacalhau de sempre. Este restaurante fica mesmo na Beirã, a poucos metros do Sabores de Marvão.

Gostaram do artigo? Leiam também as Dicas e Roteiro em Marvão e Castelo de Vide. Leiam também outras Escapadinhas em Portugal. Se gostaram do que leram e vos consegui dar algumas dicas, sigam o Contramapa no FacebookInstagram Twitter. Têm outras dicas ou dúvidas? Deixem nos comentários.

 

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

1 reply

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.