,

Pego do Inferno: a cascata de Tavira

Este verão estive por Tavira e um dos locais que mais quis visitar foi a cascata do Pego do Inferno. Localizada a cerca de 10 minutos de carro do centro de Tavira, o Pego do Inferno é a maior de 3 cascatas formadas na ribeira da Asseca. As outras duas são a Cascata do Pomarinho e a Cascata da Torre. Apesar de a queda de água não ser muito elevada (não são mais do que 3 metros), o Pego do Inferno forma uma lagoa cor de azeitona que faz as delícias de muitos banhistas durante o verão. Não acreditam? Vejam o vídeo abaixo!

No Pego do Inferno havia uma zona balnear aberta ao público até 2012. Até esta data, existia um passeio pedonal, um ponte de acesso à lagoa, uma escadaria de madeira e equipamentos cuja manutenção estava a cargo da Câmara Municipal. Contudo, em 2012 houve um grande fogo na região que destruiu a infraestrutura existente e queimou parte da zona verde. A partir desta data, o município encerrou o espaço ao público.

O que fazer em Tavira

Ao longo dos últimos anos, a natureza devolveu a vegetação e a água ao Pego do Inferno (que durante algum tempo esteve praticamente seco), mas hoje os acessos são mais complicados. A Câmara Municipal diz querer re-naturalizar o espaço, devolvendo-o à natureza. Assim sendo, os acessos não foram reconstruídos e o espaço continua encerrado ao público como zona balnear.

O que fazer em Tavira

Ainda assim e com estes constrangimentos, o Pego do Inferno continua a ser visitado por muitos banhistas no verão. E como eu gosto de ter uma boa aventura, lá fui em busca da famosa cascata. Numa manhã de Agosto, segui o Google Maps até ao Pego do Inferno, estacionei o carro no parque que ainda lá está, e pus-me a caminho.

Pego do Inferno

Como grande maioria das pessoas que visita o Pego pela primeira vez nestes últimos tempos, enganei-me. Meti-me pelo caminho de terra batida, e segui sempre em frente, esquecendo-me que me tinham avisado para virar logo à direita na primeira curva. Depois de andar quase 20 minutos no meio do mato, tive de voltar para trás. Afinal, era tudo mais perto.

Desde o estacionamento ao Pego do Inferno são cerca e 10 minutos a pé. Logo na primeira curva do caminho à esquerda, é preciso sair do trilho e virar à direita, para uma descida um pouco íngreme (ver foto abaixo). Depois, não há que enganar. É seguir sempre em frente, passar pela ponte abandonada e pelo pego (ambos à direita) e contorná-lo, para chegar água. Apesar de o caminho ser curto, convém levar sapatilhas.

Pego do Inferno

E depois destas voltas, lá consegui chegar. Em pleno pico de verão, encontrei o Pego do Inferno lotado. Foi difícil encontrar um espaço para depositar a tralha, e estender a toalha nem pensar. Mas esta pequena aventura valeu a pena. É um local diferente do que estamos habituados a ver no Algarve, com água fresca e uma paisagem natural fora do comum, principalmente para esta zona do país.

Pego do Inferno

Se quiserem aventurar-se até lá, deixo apenas o alerta: este espaço não é mantido por nenhum organismo. Tudo o que levam, é para trazer. Encontrei algum lixo, principalmente nos caixotes do lixo  junto à ponte abandonada. É óbvio que ninguém irá recolher aquilo!

Pego do Inferno

Gostaram do artigo? Leiam também O Que Fazer em Tavira e Onde Comer – 3 Restaurantes em Tavira. Procuram também por Alojamento em Tavira aquiSe gostaram de artigo, podem seguir o Facebook do Contramapa, o Instagram e o Twitter.

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

Novidades, dicas de viagem e promoções diretamente na tua caixa de entrada. Introduz o teu e-mail para saber tudo em primeira mão.

CONTRAMAPA

11 comentários
  1. Ruthia
    Ruthia says:

    Imagino que tendo tantos quilómetros de praia, uma praia fluvial não esteja no topo das prioridades… mas é uma pena. Sobretudo se as pessoas continuam a procurar a cascata. É um dó de alma ver o lixo a amontoar-se dessa maneira.
    Bela aventura, Diana. Já estive em Tavira e não conheci este lugar.

    Responder
  2. Alex
    Alex says:

    Nossa, que incrível!
    Moro em São Paulo, Brasil e nunca fui para Portugal… confesso que não tinha ideia dessa beleza natural com cachoeiras.
    Só fiquei triste pelo lixo na trilha =/
    Bons passeios, Diana!

    Responder
  3. Luiza Cardoso
    Luiza Cardoso says:

    Haha! Que nome curioso essa cascata tem, hein?
    Tava vendo o vídeo, que água mais clarinha, realmente cor de azeitona! rss! Que delícia essa corda para pular também, né? Fiquei com vontade aqui! haha!
    Uma pena só esse monte de lixo que a galera deixa! Tem gente que não sabe como amar e retribuir a essas maravilhas que a natureza nos proporciona! =(
    De resto adorei o passeio e vou querer muito conhecer lá quando eu for para Portugal ou até para a Espanha porque pelo jeito é pertinho de Sevilha né? =) Só percebi que vou ter que tomar cuidado para não me perder! rss
    Adorei o post, ótima dica! ^^

    Responder
  4. Cris
    Cris says:

    Que delícia de lagoa! Valeu a pena todas as voltas! O banho deve ser maravilhoso! Triste saber que alguns andam a deixar lixo por lá! Parabéns pelo post!

    Responder
  5. Rayane
    Rayane says:

    Que lugar lindo! AMO cachoeira!
    Mais um local para colocar na minha lista: lugares para conhecer em Portugal.
    Acho que vou ter que passar 6 meses só viajando por lá… hehehe
    Muito obrigada por compartilhar esse achado!

    Responder
  6. angela sant anna
    angela sant anna says:

    q lugarzinho mais gostoso para passar o fim de semana! fico tao triste com essa galera que nao respeita, custa preservar e cuidar, levar o próprio lixo e tal…ao mesmo tempo uma desconsideração do governo com o local, de todo jeito ta errado ahehaueae

    Responder

Deixa um comentário

Gostaste do artigo?
Tens dicas para partilhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.