,

10 Dicas de Fotografia na Viagem

porto palafitico carrasqueira

Para mim, a fotografia é uma grande parte da viagem e por isso partilho aqui 10 Dicas de Fotografia na Viagem. Gosto de viajar e conhecer novos sítios e culturas, mas também adoro aquela photo opportunity. Fazer o enquadramento perfeito (como o das senhoras de Castelo de Vide) ou pôr a câmera a babar para cima de uma refeição. Conhecer alguém fotogénico (como o puto mais amoroso de São Tomé) ou arriscar a vida para poder recordar uma tarântula (sim, aqui). E, claro, fotografar os melhores pores-do-sol, como o de Havana. Amanheceres nem tanto, tendo em conta o meu feitio pouco madrugador… Enfim, estão a perceber a ideia.

Volto de cada viagem com fotografias recheadas de memórias! Contudo, acredito que as fotografias de viagem não devem ser tiradas apenas para fazer número, mas sim para nos recordar algo em específico. Não vale a pena tirar 100 fotos daquele pôr-do-sol. Ninguém vai querer saber, nem nós próprios! O que queremos é guardar uma fotografia de viagem única que nos lembre aquele lugar e aquele momento especial.

Mas tirar aquela fotografia de viagem perfeita pode ser difícil. Há que planear o equipamento, o enquadramento e a luz do dia. E, acima de tudo, dedicar tempo. Para vos ajudar, deixo aqui 10 dicas de fotografia na viagem pelas quais me guio…

jardim botanico washington dc

1 – Dominem as funcionalidades da vossa máquina fotográfica

Não há nada pior do que perder aquela fotografia por estarem atrapalhados com a máquina fotográfica. Até porque, como sabem, há certos momentos, principalmente os inesperados, que vos podem aparecer à frente apenas uma vez. Dominem bem o uso da vossa máquina fotográfica para não perderem tempo, nem a desperdiçarem as melhores imagens. Saibam como mudar rapidamente do modo manual para o automático. Aprendam a focar a lente em modo manual e a utilizar o flash na altura apropriada. E, pouco a pouco, vão-se aventurando e experimentando com a velocidade de obturação/tempo de exposição, com a abertura da lente e os filtros ISO.

 2 – Conheçam bem o local que vão visitar

Ou vá, minimamente. Estar informado sobre os pontos de interesse e cultura do destino é meio caminho andado para se ter uma ideia do que se pode vir a fotografar. Os enquadramentos ideais surgem com maior naturalidade e tornamo-nos mais atentos ao nosso meio envolvente, o que aumenta a probabilidade de tirarmos uma fotografia perfeita.

3 – Preparem-se e levem tudo o que precisem para a viagem

Conhecer bem o destino também dá uma ideia do que se deve levar, de forma a não transportar tralha a mais e peso desnecessário, principalmente se vão andar sempre de mochila às costas. Para além disso, é importante levar vários cartões de memória de reserva, para o caso de precisarem de mais espaço na vossa máquina fotográfica. E não se esqueçam do carregador, baterias, das várias lentes e do tripé, caso utilizem. Depois de arrumarem a tralha, espreitem de novo o vosso plano de viagem para se assegurarem que visitam os locais mais fotogénicos com a luz ideal: bem cedo ao amanhecer ou ao pôr-do-sol.

DSC03073

4 – Aprendam as palavras mais importantes no idioma local

Se viajarem para um país cuja língua não dominam, esforcem-se por aprender as palavras mais importantes. “Olá”, “obrigada”, “for favor” e “desculpe” são apenas algumas das palavras que podem abrir algumas portas ou, pelo menos, sacar um sorriso.  Pensem que, ao conseguirem comunicar com os locais conseguem também uma maior proximidade, assim como uma maior probabilidade de serem ajudados, caso se percam ou precisem de orientação. A facilidade de comunicação pode também resultar numa empatia com as pessoas, o que, por vezes, é o suficiente para que se deixem fotografar ou para que vos revelem locais mais escondidos e de difícil acesso aos turistas.

Não se esqueçam de pedir sempre autorização para tirar fotografias aos locais. E, já agora, aprendam a perguntar no idioma local: “Posso tirar uma fotografia?”

5 – Tenham uma mentalidade aberta para viver o desconhecido

Muitas vezes, para conseguirmos tirar as melhores fotografias de viagem, temos que viver o desconhecido, o que pode significar caminhos desconhecidos, diferentes costumes e gastronomias estranhas. Portanto, não tenham medo de sair da vossa zona de conforto e aventurem-se na descoberta de novos sons, de novos sabores e de novos cheiros. Misturem-se com os locais, experimentem sensações diferentes e conheçam, de uma forma bem mais profunda, as suas raízes, histórias e vivências.

6 – Prefiram andar a pé e de transportes públicos

Esta é provavelmente um das mais importantes de dicas de fotografia na viagem. A vida não acontece dentro de um táxi. E, portanto, a vossa fotografia também não. Por muito mais fácil que seja andar de carro, a melhor forma de conhecerem uma cidade é explorando-a a pé ou de transportes públicos. Não são só as paisagens e os monumentos históricos que reflectem uma cultura, mas também (e principalmente!) as pessoas e os seus jeitos, rotinas e modos de agir em público. E nada disto pode ser vivido dentro do conforto do ar condicionado do táxi ou do carro alugado!

metro nova iorque

 7 – Agarrem as melhores oportunidades para fotografar

Não deixem escapar o momento certo para tirar a fotografia ideal. Não dá para pôr a vida em modo pausa. A fotografia de viagem também não. E o momento certo pode acontecer de forma inesperada e não fica ali à espera que tirem a máquina da mochila. Ou esperam pacientemente pelas melhores oportunidades, ou correm atrás delas, fazendo alguns sacrifícios. Por exemplo, se adoram o nascer do sol, preparem-se para acordar bem cedo. Se querem captar a foto ideal do pôr-do-sol, sejam pacientes e esperarem até à luz ideal. Se caminham por uma rua movimentada e cheia de vida, tenham sempre a máquina a postos em modo automático. Se encontram alguém a transpirar fotogenia, percam a vergonha e peçam para fotografar.

melhores praias costa vicentina

 8 – Adeqúem as características da máquina ao que vão fotografar

Nem sempre todos os cenários se adequam às características da máquina que mais costumam usar,  e é importante adequarem-nas aos objectivos que pretendem e às realidades que têm à vossa frente. Se gostam de tirar fotos de rostos e objectos, invistam numa lente com distância focal menor. Se gostam de tirar fotos amplas a paisagens, ponderem uma lente de grande distância focal. Se gostam de fotos de aventura e debaixo de água, ponderem uma action camera. Se variarem nas lentes e nas próprias funcionalidades da máquina, vão ficar com imagens variadas e originais, que reflectem na perfeição os locais por onde passaram!

9 – Peçam aos locais para que vos fotografem

Não tenham vergonha, principalmente porque há sempre alguém disponível para vos ajudar. Não deixem de ter fotografias vossas nos pontos de interesse e nos locais que mais gostarem, ainda para mais se forem com amigos ou com a vossa cara-metade. Não digo que não tirem selfies, mas façam questão de ter fotos vossas tiradas por outros, com melhor enquadramento e paisagens mais amplas… E, quiçá, até se podem surpreender com dotes fotográficos alheios!

visitar grand canyon

10 – Aproveitem a viagem ao máximo!

Acima de tudo, divirtam-se enquanto fotografam. Aproveitem cada momento, vivam tudo ao máximo, transferindo todas as boas energias para as vossas fotografias de viagem. Quer seja uma viagem de aventura, com amigos, ou a dois. E, nunca, mas nunca se esqueçam: viajar é uma experiência única, que vos transforma, que vos traz mundo. E a fotografia de viagem faz parte desse trazer mundo! Não se esqueçam disso. 🙂

Se gostaram deste artigo das 10 Dicas de Fotografia na Viagem e vos consegui dar boas dicas para tirarem as melhores fotografias de viagem, sigam-me no Facebook e Instagram. Saibam também como fazer a Mala para 1 Mês e encontram os Melhores Poshtels da Europa.

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

Novidades, dicas de viagem e promoções diretamente na tua caixa de entrada. Introduz o teu e-mail para saber tudo em primeira mão.

CONTRAMAPA

16 comentários
  1. Marta Chan
    Marta Chan says:

    Ser simpático e comunicar com os locais é tão importante! Só não concordo quando oferecem dinheiro por uma foto, o que acontece muito na India.

    Gostei muito de ler estas dicas, o meter o modo automático em ruas movimentadas era tudo o que precisava ouvir, quer dizer, ler 😀

    Responder
  2. Marlene Marques
    Marlene Marques says:

    Boas dicas, Diana! Ainda estou a trabalhar para conseguir “aquelas” fotos. Por vezes é tão difícil conseguir captar o que os nossos olhos (e alma) estão a ver 🙂

    Responder
  3. Debora
    Debora says:

    Adorei as dicas, bem originais! Sou fotógrafa e o que mais amo fotografar são minhas viagens. Além e conseguir imagens lindas, guardo muitas recordações de todos os momentos 🙂

    Responder
  4. Reynaldo
    Reynaldo says:

    Interessante um artigo sobre dicas de fotografia que quase não fala nas técnicas, mas sim no comportamento e na atitude ao fotografar. Normalmente os artigos sobre fotografia esquecem essa parte que é igualmente importante. E é boa, realmente, a dica de usar a máquina no automático para não correr o risco de perder algum momento importante. Faço muito isso. Deixo o uso da técnica e o pouco que conheço delas quando quero tentar criar algum efeito especial ou para brincar um pouco com o cenário quando tenho tempo em algum momento da viagem.

    Uma coisa que gosto muito de fazer quando viajo é ter sempre um olho também nos detalhes. Pode ser uma janela, uma escultura, um detalhe na roupa de alguém. Normalmente nos mostram características do local ou do momento. Um bom exemplo foi uma foto que você colocou no instagram recentemente com algumas folhas sobre um chão de pedras. Muito bonita a foto e bem característica do outono que você quis representar. Muito bom o post.

    Responder
    • contramapa
      contramapa says:

      Reynaldo, muito obrigada pelo comentário! Sou mesmo dessa opinião, muitas vezes a técnica é o que conta menos e não é aí (ou só aí) que nos devemos focar! Muito raramente utilizo o modo manual na minha máquina fotografia (nenhuma dessas fotos acima foi em modo manual). O enquadramento e o pormenor são muito mais importantes! 🙂

      Fico feliz que tenha gostado das fotos das olhas, realmente foram um símbolo do início do Outono/Inverno! Ahah

      bjs

      Responder

Deixa um comentário

Gostaste do artigo?
Tens dicas para partilhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.