Na Ásia e na Síria com a Tinta da China

Há quem diga que ler é a melhor viagem. A mais fácil. E mais barata, de certeza. E algumas destas viagens merecem ser partilhadas. Hoje venho partilhar duas delas, da Tinta da China.

Disse-me um Adivinho

Aqui há uns meses comecei a ler o «Disse-me um Adivinho» do Tiziano Terzani, e fiquei maravilhada. Este jornalista italiano, que faleceu em 2004, foi um apaixonado pela Ásia e viveu durante muitos anos em países orientais, como a China, a Tailândia e o Japão. Um belo dia decidiu que não iria viajar de avião durante um ano inteiro e, neste livro, ele conta-nos o que aconteceu…

tinta da china

Com histórias preciosas e com um olhar crítico sobre a ocidentalização desenfreada dos países asiáticos, Terzani deixou-me um travo de nostalgia na boca. Mas também uma vontade de ler mais (vejam aqui o excerto que vos deixei).

Na Síria

Procurei outro livro da mesma coleção e escolhi «Na Síria» da Agatha Christie. Fugindo aos romances policiais do Poirot que lhe trouxeram a fama, neste livro a escritora inglesa relata as suas aventuras na Síria.

Entre as duas Guerras Mundiais, a escritora decidiu acompanhar o seu marido em excursões arqueológicas na Síria e este foi o resultado: uma espécie de diário de bordo das desventuras de uma dama inglesa no deserto. E não sei o que nos agarra mais no livro. Se os relatos nada politicamente correctos da autora, mas totalmente honestos. Se o contraste avassalador com a realidade de hoje. Se os relatos cativantes de Palmira, a cidade histórica destruída no ano passado às mãos do Estado Islâmico.

tinta da china

Colecção de Literatura de Viagens da Tinta da China

Esta é uma coleção que me aquece o coração e que hei-de ter um dia, um por um, por ordem alfabética, na minha estante.

A Colecção de Literatura de Viagens da editora Tinta da China é dirigida pelo Carlos Vaz Marques, amante de viagens e antigo jornalista do Jornal de Letras. Podem também ouvi-lo no Governo Sombra (TSF). Surgiu em 2008, por ideia conjunta de Bárbara Bulhosa e de Carlos Vaz Marques, apenas 3 anos depois da fundação da editora Tinta da China.

Contando já com 36 títulos, há obras para todos os gostos. Desde autores portugueses, a novos autores e autores clássicos. Alguns nomes são mais conhecidos, como Alexandra Lucas Coelho, Jan Morris, Mark Twain, Montesquieu e Henry Miller. Outros, são mais contemporâneos e ainda não estavam publicados por cá: Annemarie Schwarzenbach, Wladimir Kaminer, Ernesto Schoo e Sven Lindqvist.

A Colecção de Literatura de Viagens tem publicado a um bom ritmo e em 2016 foram editados 4 novos títulos.

Além da escrita, os livros são pautados por um grafismo delicioso, que aliás é uma das assinaturas de marca da Tinta da China. É Vera Tavares a diretora de arte que faz o desenho da capa, desenha as letras, escolhe as cores e desenha ainda os mapas que aparecem nas guardas de cada livro. Tudo muito bonitinho.

Já sabem o que vou procurar na próxima Feira do Livro, não é?

Próximas leituras em fila de espera na minha estante:

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

Novidades, dicas de viagem e promoções diretamente na tua caixa de entrada. Introduz o teu e-mail para saber tudo em primeira mão.

CONTRAMAPA

0 comentários

Deixa um comentário

Gostaste do artigo?
Tens dicas para partilhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.