,

Roteiro no Japão: 3 semanas

Planear um roteiro no Japão para 3 semanas não é nada fácil! Este foi provavelmente o maior esforço que fiz ao detalhar um plano de viagem, principalmente porque quisemos sair um pouco dos roteiros turísticos mais conhecidos. Por vezes é difícil encontrar informação, temos de fazer escolhas difíceis, existem muitos sites apenas em japonês e a barreira cultural é gigante.

Posto isto, depois de um árduo trabalho, lá conseguimos montar o nosso roteiro no Japão para 3 semanas. Preocupámo-nos em incluir diferentes experiências que retratam a identidade japonesa: desde a azáfama das grandes cidades, ao descanso das cidades termais, à natureza e às pequenas cidades tradicionais.

Mal embarquei nesta viagem, e já tenho pena de alguns locais que ficaram de fora: o país é grande e não conseguimos ver tudo nestas 3 semanas. Ainda assim, se estiverem a planear uma viagem, espero que este roteiro no Japão vos ajude. Caso vos ajude, poderão enviar-me e-mail se quiserem ter acesso à folha de excel do planeamento. Aviso à navegação: as decisões de planeamento são muitas e difíceis de tomar!

roteiro no japão 3 semanas

Roteiro no Japão para 3 semanas

Sapporo (2 noites) – Dia 1

Começamos o roteiro no Japão pelo norte, na ilha de Hokkaido. Sapporo é a 4ª maior cidade do país, conhecida pela fábrica da cerveja Sapporo. A cidade tem outras atrações como o Shiroi Koibito Park, o Ōdōri Park e a Clock Tower. É também conhecida pelos deliciosos ramen.

Leiam aqui o artigo sobre Sapporo: chocolate, cerveja e ramen.

Noboribetsu (1 noite) – Dia 2

Há centenas de termas naturais no Japão e estas fazem parte do estilo de vida japonês, que inclui o usufruto das suas propriedades terapêuticas. Para curar definitivamente o jetlag, vamos a uma cidade termal. Noboribetsu fica junto ao vale Jigokudani, que é a fonte destas águas termais.

Hakodate  – Dia 3

Esta cidade piscatória foi em tempos a maior da ilha de Hokkaido e o primeiro porto a abrir ao comércio internacional no século XIX. Depois de um grande fogo em 1934, não voltou a ganhar o vigor perdido. Hoje, os visitantes vêm até aqui principalmente pelo peixe fresco: donburi. A cidade tem também uma das vistas nocturnas mais belas do Japão, no topo do monte Hokadate.

Lake Towada (2 noites) – Dia 4, 5

O Towada é o maior lago cratera na ilha de Honshū, no Japão. Iremos estar dois dias nesta região, na pequena cidade de Yasumiya, junto ao rio Oirase. Mais a sul, iremos visitar também o lago Tazawa.

Nyuto (1 noite) – Dia 6

O roteiro no Japão não estaria completo sem mais uma visita às termas. Em Nyuto iremos visitar umas termas tradicionais.

Takayama (2 noites) – Dia 7

Esta cidade de pequenas ruelas fica junto às montanhas dos Alpes japoneses. É uma cidade muito popular e pitoresca, e nós vamos visitá-la numa das melhores alturas: durante o festival de boas-vindas à primavera. Alerta cerejeiras em flor!

Shirakawa-go (1 noite) – Dia 8

As aldeias de Shirakawa-go e Gokayama são património mundial da UNESCO, famosas pelas suas casas tradicionais de madeira, algumas com mais de 250 anos. Aqui, vamos visitar a aldeia de Ogimanchi (em Shirakawa-go).

Kanazawa – Dia 9

Esta cidade histórica tem edifícios bem preservados do período Edo, altura em que esta era uma das cidades mais importantes do Japão com uma vida cultural intensa. Escapou à destruição da II Guerra Mundial (tal como Quioto) e portanto tem os bairros tradicionais e o castelo bem preservados.

Himeji (1 noite) – Dia 10

O grandioso castelo de Himeji é um dos poucos sobreviventes dos período feudal japonês e é de visita obrigatória. Com 6 andares, ergue-se imponente sobre os jardins de cerejeiras, uma imagem icónica do Japão.

Hiroshima e Miyajima (2 noites) – Dia 11

Em Hiroshima vamos ver o Memorial da Paz, que recorda os danos causados pela bomba atómica. Junto à cidades, há também a ilha de Miyajima / Itsukushima, onde fica um dos mais populares templos da religião Xinto.

Leiam o artigo: Hiroshima – As bombas de napalm são brinquedos.

Quioto (4 noites) – Dia 12, 13, 14, 15

A ancestral Quioto foi capital do império japonês do século VIII ao século XIX, altura em que foi substituída por Tóquio. Hoje, mantém-se como a alma da tradição e cultura japonesa, com muitos edifícios anteriores à II Guerra. Tem mais de 1600 templos budistas e 400 templos xintoístas.

Leiam aqui a entrevista que fiz a Mitsuru, um sushi e sakeman de Quioto.

Osaka (1 noite) – Dia 16, 17

Sendo a terceira maior cidade do Japão, Osaka tem bastante entretenimento, arquitetura moderna, vida noturna e street food, sendo uma cidade jovem e vibrante.

Monte Fuji (1 noite) – Dia 18

Com 3776 metros de altitude, o Monte Fuji é o mais alto do Japão e uma das imagens mais retratadas do Japão. Por aqui, vamos passar um dia a apreciar as vistas e a natureza, já que as caminhadas até ao cume apenas são permitidas no pico do verão.

Leiam o artigo: 24 horas no Monte Fuji.

Tóquio (5 noites) – Dia 19, 20, 21, 22

A capital do Japão é a metrópole mais populosa do mundo com uma área metropolitana de 37 milhões de habitantes. Acredito que me vou surpreender e que a cidade tem uma onda diferente de tudo o que já vi!

Finalmente, leiam também a minha preparação literária para o Japão. Fica aqui um pequeno resumo da minha viagem:

Ajudei-vos a planear a vossa próxima viagem com o roteiro no Japão para 3 semanas? Vão fazer uma viagem semelhante e querem saber mais? Sigam o Contramapa no Facebook, Instagram e Twitter. Têm outras dicas ou dúvidas? Deixem nos comentários ou escrevam para geral@contramapa.com

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

Novidades, dicas de viagem e promoções diretamente na tua caixa de entrada. Introduz o teu e-mail para saber tudo em primeira mão.

CONTRAMAPA

4 comentários
  1. Catarina Gralha
    Catarina Gralha says:

    Como te compreendo… Escolher uma cidade ou local implica sempre deixar outro de fora. O tempo não é infinito, e é necessário fazer escolhas. De qualquer das formas, parece-me um roteiro bem interessante! Quando regressar ao Japão (desta vez “a sério” e não em trabalho), venho aqui inspirar-me 🙂

    Responder

Deixa um comentário

Gostaste do artigo?
Tens dicas para partilhar?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.