,

10 Cascatas e Trilhos no Gerês

visitar gerês

Sou perdida de amores pelo Parque Nacional da Peneda-Gerês. Já o tinha dito aqui e volto a repetir. E por muitas povoações pitorescas e monumentos que o parque tenha, a melhor forma de o percorrer é mesmo a pé. Ou quiçá, a nado, considerando o incontável número de lagoas e cascatas no Gerês que se escondem nas encostas das serras. E, por isso, hoje deixo-vos uma lista de 10 locais de pura natureza que não podem perder no Parque Nacional da Peneda-Gerês.

1 – Percurso do Pé do Cabril (e outros, muitos outros)

No Gerês, existem dezenas, senão centenas, de percursos pedestres com os mais diferentes graus de dificuldade. O problema é como os descobrir e como saber se estamos fisicamente preparados para os enfrentar.

Contudo, há alguém que facilita esse trabalho. Nomeadamente, a ADERE-PG (Associação de Desenvolvimento das Regiões do Parque Nacional da Peneda-Gerês) e o ICNF (Instituto da Conservação das Florestas e da Natureza).

No site da ADERE têm acesso a alguns dos percursos pedestres que podem ser realizados no Parque Nacional da Peneda-Gerês. O site está continuamente a ser atualizado. Disponibiliza ficheiros GPS para cada um dos trilhos, descrições dos percursos e de cada um dos seus pontos de interesse. Podem facilmente fazer download da documentação e instalar os ficheiros GPS/PDS num smartphone para que não se percam  ao longo do caminho. Foi o que eu fiz!

Não deixem também de visitar o ICNF. Neste site, podem fazer download da listagem dos percursos a realizar de automóvel e de documentos sobre o estado de conservação dos percursos.

Não há desculpas! Se utilizarem estes dois sites, vão encontrar toda a informação que precisam para escolherem o trilho que melhor se adequa às vossas condições físicas e ao que querem fazer!

O percurso que fiz este ano foi o do Pé do Cabril. Estava um dia de calor terrível, suei que nem uma louca, eram subidas que nunca mais acabavam e eu tinha faltado aos treinos. Resultado: fiz apenas o trilho até meio, e voltei para trás.

Bom, sendo que o trilho tinha 7 kms (14kms ida e volta) e está qualificado com um nível de dificuldade “média a elevada”, acho que não me saí assim tão mal. O tempo recomendado para os 7 kms era de 5 horas. Fica a dica: não subestimem as classificações dadas aos percursos e vão sempre muito bem preparados, em termos de calçado, roupa confortável e água, muita água.

visitar-gere%cc%82s-6

2 –  Cascata Tahiti / Cascata Fecha de Barjas

A Cascata do Tahiti (cujo nome oficial é Cascata Fecha de Barjas) é uma das mais populares cascatas no Gerês. E uma das mais belas, também. Fica perto das Caldas do Gerês, mas é preciso ter cuidado ao descer da estrada até à cascata. O caminho é sinuoso e escorregadio, quando o piso está molhado. Levem sapatilhas!

A cascata fica na estrada que liga o Fafião/Cabril à Ermida.

visitar gerês

3 – Cascata do Arado

Com 900 metros de altitude, a Cascata do Arado fica nas imediações da Ermida. As quedas de água formam uma sucessão de lagoas que só podem convidar a um mergulho. Tem bons acessos de automóvel, o que a torna talvez a cascata mais visitada da Peneda-Gerês. Para chegar à cascata, é necessário passar pela povoação Ermida, e, a partir da aí, ir pelo caminho de terra batida até chegar a esta preciosidade…

visitar gerês

Fonte: casasnogeresparaalugar.pt

4 – Cascata de Leonte

Localizado perto das Caldas do Gerês, a melhor forma de chegar à Cascata de Leonte é através da Portela do Homem (a cerca de 10kms), a partir da qual existem indicações.

Fonte: bloguedominho.blogs.sapo.pt

Fonte: bloguedominho.blogs.sapo.pt

5 – Cascata de Pincães

A cascata fica na localidade de Pincães, uma povoação entre Fafião e Cabril. A partir da povoação, são cerca de 10 minutos de caminho a pé até uma das mais idílicas cascatas no Gerês.

visitar-geres-7

Fonte: maravilhasdogeres.pt

8 – Cascatas de Castro Laboreiro

Junto à vila do mesmo nome, as cascatas de Castro Laboreiro são agitadas e acidentadas. Ficam junto à vila do mesmo nome e são facilmente acessíveis. São belas para tirar fotografias, mas só os mais corajosos vão querer mergulhar…

visitar geres 10.JPG

Fonte: WikiCommons

9 – Cascata da Laja

A Cascata da Laja está embrenhada na montanha. Situa-se perto das Caldas do Gerês e é preciso fazer o trilho da Preguiça para chegar lá. Este é um trilho curto, de 5,5km que se faz em 3 horas. Podem ver aqui a informação que precisam para chegarem a uma das mais escondidas cascatas no Gerês!

visitar-geres-11

Fonte: WikiLoc

10 – Além das Cascatas no Gerês: Os Miradouros

E, além de cascatas e trilhos, o que não falta na Peneda-Gerês são miradouros para apreciar as paisagens de cortar a respiração. O Miradouro da Fraga Negra, o Miradouro da Pedra Bela e o Miradouro do Mirante Velho são 3 dos mais conhecidos! Subam aos cumes e descubram-nos!

visitar gerês

Querem saber mais sobre o Parque Natural e sobre as cascatas no Gerês? Leiam também a brochura do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas. Se gostaram do artigo, ajudem a crescer o Contramapa e partilhem o artigo. Podem também seguir no Facebook e no Instagram.

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

Novidades, dicas de viagem e promoções diretamente na tua caixa de entrada. Introduz o teu e-mail para saber tudo em primeira mão.

CONTRAMAPA

21 comentários
  1. Martinha
    Martinha says:

    Adorei as dicas… sem falar que são 2 países pelo preço de um. Como sempre, os seus posts fazem com que a minha listinha de lugares para conhecer em Portugal só aumente. Beijos =)

    Responder
  2. Edson Jr
    Edson Jr says:

    Wow! Cada lugar lindo. Tantas cachoeiras e pequenos lagos para explorar num único lugar. Gostei muito do post e da próxima vez que programar uma viagem próxima, vou tentar encaixar no roteiro. 🙂

    Responder
  3. Catarina
    Catarina says:

    Que maravilha! Já estive em alguns desses sítios, mas faltam-me tantos… Excelentes desculpas para regressar ao Gerês! Já conhecia o ICNF, mas não fazia ideia da existência da ADERE, por isso obrigada pela partilha 😉

    Responder
  4. luizjrfernandes
    luizjrfernandes says:

    Nossa que relação espetacular de lugares para visitar hein. Eu poderia ficar por horas perdido nessas trilhas tomando banho nessas piscinas naturais. Realmente vale muito a pena e já está na minha #BucketList. Abraço e parabéns pelo belo post e fantásticas fotos!

    Responder
  5. Francisco Xavier Perdiz
    Francisco Xavier Perdiz says:

    É uma pena que vocês os portugueses nao queiram preservar os nomes originais dos lugares. É un património imaterial dos seus antepassados e um legado para conhecer e interpretar a história do Pais e transmitila às geraçoes futuras. Nomes como cascata do AHITÍ ou cascata dos DRUÍDAS dao uma imagem pouco séria, nada autêntica e genuína do Parque Nacional. Conservem e preservem os seus valores naturais e humanos dos espaços naturais.

    Responder
    • contramapa
      contramapa says:

      Olá Francisco! Muito obrigada pelo teu comentário. Para mim, é muito importante dar informação precisa no meu blog para que os meus leitores possam aproveitar ao máximo as suas viagens e sejam bem informados. Sei que a cascata do Tahiti é um nome informal, cujo nome oficial é Cascata Fecha de Barjas, e já deixei isso mais claro no artigo. Em relação à Lagoa dos Druidas, sabes onde poderei encontrar informação oficial sobre o nome real? É que pesquisei muito na internet e este foi o único nome que encontrei! Mesmo quando falei com as pessoas no Gerês, sempre se referiram à Lagoa dos Druidas e nunca a outro nome… Será que me podes ajudar?

      Mais uma vez obrigada pela tua resposta, com comentários assim posso também ir melhorando o meu blog! 🙂

      Responder
  6. António Macedo
    António Macedo says:

    Belo artigo para uma 1ª visita ao gerês … mas as melhores cascatas são aquelas inacessíveis via carro, no rio conho, arado, toco e maceira.

    Só uma correcção a imagem que associaste à cascata que dizes de Leonte é a cascata da portela do homem mas ao chegar à fronteira com a Espanha.

    A cascata de leonte fica cerca de 1 km antes pouco depois da casa da preguiça à face da estrada … quando as curvas parecem impossíveis de fazer.

    Obrigado

    Responder

Deixa um comentário

Gostaste do artigo?
Tens dicas para partilhar?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.