,

Roteiro de 3 dias em Nova Orleães

Nova Orleães é aquela cidade norte-americana que foge aos estereótipos da terra do Tio Sam. Aqui, podemos mergulhar na cultura crioula que foi sendo criada ao longo dos séculos, com a influência africana, caribenha e francesa. Podemos deliciar-nos com a gastronomia. Podemos mergulhar de cabeça no jazz. Podemos percorrer as ruas em festa noite dentro, principalmente durante o Mardi Gras, o maior evento anual da cidade.

Se quiserem conhecer a minha experiência na cidade, leiam a Noite de Nova Orleães, Do Voodoo ao Bayou e As Festas aos Mortos. Conheçam o roteiro de um mês nos EUA completo, tal como eu fiz. Abaixo fica a minha recomendação para um roteiro de 3 dias em Nova Orleães.

nova orleaes viagem 809

locationsRoteiro do Primeiro dia em Nova Orleães

Manhã no French Quarter

  • French Quarter: Comecem o dia no coração da cidade. Apreciem as casas coloniais. Tirem fotografias à Jackson Square e à St. Louis Cathedral. Façam a caminhada junto ao rio Mississipi à procura de um cargueiro. Conheçam a 1850 House. E entrem nas lojinhas espalhadas pela rua.

Tarde no Parque Louis Armstrong

  • Parque Louis Armstrong: No limite do French Quarter começa o parque que em tempos marcava a fronteira da cidade. Passem pela Congo Square no início do parque, o local que assinala o ponto de encontro dos escravos na época colonial.
  • Ao final do dia, entrem no bairro de Faubourg Marigny, mesmo ao lado do French Quarter. É um bairro mais calmo, com uma onda menos turística. Há muitos bares de música ao vivo, restaurantes e algumas lojas de música e livrarias, como a Fab on Frenchmen. A rua principal é a Frenchmen Street.
  • Ao final do dia, vão ao Frenchman Art Market (funciona das 19h às 2h00). Entre colares, brincos, quadros, candeeiros, roupa e outros adereços, vão encontrar o souvenir perfeito para a vossa viagem. Acreditem.

locationsRoteiro do Segundo dia em Nova Orleães

Manhã nos Pântanos

  • Visitem os Pântanos do Louisiana: Nova Orleães está localizada numa fauna muito peculiar: a área à volta é coberta de ‘bayous‘, pequenos riachos pantanosos, onde vivem crocodilos, porcos selvagens e guaxinins. Existem várias tours para os pântanos e eu escolhi a Cajun Encounters, e não estou nada arrependida. Consiste numa viagem de barco onde podemos ver os vários animais do pântano no seu habitat natural. Existem tours a várias horas do dia, e o custo é de $52, o que inclui o transporte desde o hotel.

Tarde com Voodoo

  • Depois de um almoço demorado para evitar o calor, façam uma Free Tour By Foot pela cidade para conhecerem um pouco melhor a sua história. A que eu recomendo (e fiz) é a New Orleans Voodoo Tour, que explica um pouco a influência africana na cultura e religião da cidade e o papel de Marie Laveau na ascensão da religião Voodoo. Outra opção será realizar a French Quarter Walking Tour, que percorre os principais pontos do bairro mais conhecido da cidade. Estas tours não têm um preço fixo, sendo que cada um, no final da tour, paga ao guia o valor que bem entende. É apenas preciso reservar online aqui e estar à hora marcada no local marcado.. Muito simples.

locationsRoteiro do Terceiro dia em Nova Orleães

Manhã entre os mortos…

  • Façam uma tour num Cemitério: os cemitérios de Nova Orleães estão carregados de história e de uma mística diferente. Se fizerem a tour de Garden District e Lafayette Cemetery ficam não só a conhecer a história por trás do jazz funeral, como também poderão ver de perto as casas coloniais que hoje pertencem a atores e músicos mundialmente conhecidos. Esta tour é também da Free Tours by Foot e, portanto, poderão pagar aquilo que bem entenderem.

Tarde no Parque Audubon

  • Vão ao Parque Audubon: além de ser um ótimo local para relaxar durante uma manhã sonolenta, podem visita o Zoo ($20), o Aquário ($25) ou o Jardim de Borboletas e Insectos ($20)

 

warning-sign-on-a-triangular-background  

A não perder em Nova Orleães…

  • Mardi Gras: Nova Orleães é o Rio de Janeiro do hemisfério norte. Aqui, vive-se o Carnaval de alma e corpo: existe música na rua, desfiles, máscaras e muita, muita festa. Se a confusão é o vosso nome do meio, escolham esta altura no ano para visitar a cidade.
  • Preservation Hall: Se são fãs de jazz (ou querem ficar), têm de assistir a um concerto aqui. Fundado em 1961 com o objetivo de preservar e proteger o jazz de Nova Orleães, esta sala de espectáculos acolhe os melhores artistas da cidade, quase todos os dias do ano, 3 concertos por dia. É necessário reservar com antecedência e os preços variam entre $35 e $45.
  • Plantações: Além das tours aos pântanos do Louisiana, existem também tours às antigas instalações das plantações. Aqui é possível ver as mansões coloniais e todas as estruturas adjacentes, tais como as casas dos escravos e os armazéns. Pela Cajun Encounters, a tour custa $89. Vejam aqui.

 

cutlery-set-of-eating-tools 

Onde Comer em Nova Orleães

  • French Quarter: Central Grocery – $ – Fundada por um imigrante italiano, esta mercearia tem uma das sandes mais famosas nos Estados Unidos e, de certeza, a mais famosa em Nova Orleães. Chama-se Muffuletta e tem vários tipos de enchidos, queijos e uma espécie de pasta de azeitona. Uma Muffuletta inteira custa cerca de $15 e serve para a refeição de 2 pessoas. Fica na 923 Decatur Street.
  • French Quarter: Napoleon House – $$ – Com uma grande oferta de especialidades Nova Orleães, aqui podem provar um pouco de tudo: Jambalaya, Gumbo e Po’Boys. A especialidade da casa é a Muffuletta. Fica na 500 Chartres Street.
  • French Quarter: Southern Candymakers – $$ – O praliné é uma das marcas da cidade. E aqui têm os melhores, com muita variedade, e feitos mesmo à nossa frente. 500 gramas de pralinés custam $26, mas na loja é possível comprar à unidade. Fica na 334 Decatur Street.
  • French Quarter: Café du Monde – $ – Talvez o local de restauração mais conhecido na cidade, com filas que chegam à rua. A especialidade da casa são os beignets, uma espécie de mini-fartura. 3 beignets custam $2,14. A acompanhar com um café com leite. Fica na 800 Decatur Street, dentro do French Market.
  • Faubourg Marigny: Praliné Connection – $$ – Este restaurante já vai na terceira geração de cozinha crioula. Tem uma oferta diversificada, e podem ser pedidos pratos combinados para se experimentar um pouco de tudo. Os Po-Boys são também uma especialidade, mas guardem espaço para a sobremesa: pudim de pão com molho de praliné. Já estão a babar? Os pratos variam entre os $12 e $24. Fica na 542 Frenchmen Street.
  • Garden District: Superior SeaFood & Oyster Bar – $$$ – Aqui, a especialidade são as ostras, outra das iguarias de Nova Orleães. E este foi um dos melhores sítios que encontrei, com uma ótima relação qualidade/preço e, ainda assim, algum requinte (meu deus, usei mesmo a palavra requinte aqui no blog?). Meia dúzia de ostras varia entre $10 e $14, mas existem outras especialidades de Nova Orleães que podem experimentar aqui. Fica na 4338 St. Charles Avenue.
  • Garden District: Commander’s Palace -$$$ – Este é um dos restaurantes mais emblemáticos de Nova Orleães – quer pela longa histórica gastronómica, quer pela fachada colorida que se torna facilmente reconhecível. Ao almoço, existe um menu de gastronomia crioula por $34, que permite viajar pelos sabores do Louisiana. Se pedirem à carta, não se esqueçam se experimentar a Turtle Soup (Sopa de Tartaruga) por $8,5. Mas atenção: deixem as havaianas em casa, que aqui há dress code. Fica na 1403 Washington Avenue.

 

drink-glass-with-ice-cubes-and-straw

Onde Beber um copo em Nova Orleães

O French Quarter é onde a festa acontece. As ruas estão cheias de gente durante grande parte da semana num ambiente de euforia, especialmente na Bourdon Street. Há néones, há colares coloridos atirados das janelas, há despedidas de solteiro, há muito álcool.

  • Cats Meow: Além de toda a festa descrita acima, aqui também há karaoke. E não é preciso dizer mais nada, não é? Fica no epicentro da euforia, na 701 Bourbon Street.
  • Carousel Bar: Como o nome indica, o balcão deste bar situado no Hotel Monteleone parece um carrossel, dando um toque de surrealismo retro ao local. Fica na 214 Royal Street.

O bairro de Faubourg Marigny é o reduto do jazz em Nova Orleães, mesmo ao lado da euforia do French Quarter. Se querem encontrar uma banda a improvisar ensardinhada num bar minúsculo, chegaram ao sítio perfeito. Aqui, a rua mais movimentada é a Frenchmen Street, com bares com concertos a partir do início da tarde.

  • The Spotted Cat: Este foi o meu preferido. Bandas de Jazz a tocarem desde o início da tarde. Sem cobrança de entrada até ao último concerto da noite (que começa às 22h00). Cerveja em conta. O que é que uma pessoa pode pedir mais? Fica na 623 Frenchmen Street.
  • d. b. a.: Abre ao final do dia com concertos e tem uma oferta variada de cervejas. O primeiro concerto do dia é gratuito, o segundo varia entre $5 e $10. Fica na 618 Frenchman Street.
  • Checkpoint Charlie: Funcionando 24 horas por dia, este bar tem música ao vivo, lavandaria, pinball e fast food. Tudo o que uma pessoa precisa para sobreviver e a um preço baixo. Quanto à música, há muita diversidade, que pode ir do hip-hop, ao acústico e ao punk. Fica na 501 Esplanade Avenue.

 

 accomodation

Onde Ficar em Nova Orleães / Alojamento em Nova Orleães

Comparando com Nova Iorque, Boston e Chicago, o alojamento em Nova Orleães não é o mais caro. Mas isso não quer dizer que seja barato para os padrões europeus…

  • India House Backpackers Hostel – $ – Eu fiquei alojada num quarto duplo. Já contei aqui que não foi a melhor experiência, mas foi o mais barato que arranjei, com uma boa localização, ainda que fora do French Quarter. O streetcar apanha-se logo ali ao lado e em menos de 10 minutos estamos no French Quarter.
  • O Hostel é uma casa colonial convertida num hostel com quartos partilhados e individuais. Tem, por isso, um aspecto antigo e não primam pela limpeza. Há wi-fi e ar condicionado apenas na sala comum. Tem uma piscina nas traseiras e de manhã há pequeno almoço feito na hora por $5. Apenas a arriscar em casos de fome extrema…
  • Os preços variam entre 16,50 euros por pessoa num dormitório de 12 pessoas e 21,90 euros por pessoa num quarto duplo. Vejam aqui se estiverem interessados.
  • Para outros alojamentos, consultem a oferta do Booking.com. É um website de elevada fiabilidade que utilizo sempre nas minhas viagens.
Nota: os preços apresentados são referentes a 2016. A todos eles deverá ser somado o imposto local, que nos Estados Unidos nunca é apresentado no valor no Menu. Este imposto local varia consoante o estado e / ou cidade. Em Nova Orleães, o imposto de vendas é de 9,75%. O imposto específico para alojamento é 13%.

 

plane 

Transportes em Nova Orleães / Como deslocar em Nova Orleães

  • Para chegar e partir de Nova Orleães para outras cidades, é preciso medir as distâncias. O autocarro é a opção mais barata para destinos mais perto, como Houston. A Megabus é a opção mais em conta ($9 para a viagem até Houston). É fiável, mas chegámos sempre ao nosso destino com algum atraso (entre 15 minutos e 30) e não me consegui conectar à wifi que tinham a bordo. A Greyhound é outra rodoviária, em que os preços variam ligeiramente (entre $8 e $20 para a mesma viagem).
  • A rede de comboios inter-regionais nos Estados Unidos é a Amtrak. Contudo, esta rede não está muito desenvolvida no sul, sendo que de Nova Orleães apenas poderemos ir em 4 direções distintas: oeste, Chicago, Washington e Florida. É mais confortável, claro, mas mais caro. O preço mais baixo que vi de Nova Orleães para Houston foi $43.
  • Nova Orleães fica a muitos quilómetros de outras cidades importantes, sendo que, mesmo Houston, fica a muitas horas de estrada. A opção mais eficiente – quer em termos de custo, quer em termos de dias em viagem – é o avião. Existem companhias aéreas low-cost com bilhetes a preços muito competitivos. Por exemplo, a distância entre Nova Orleães e Houston pode ser percorrida em 1h20 de avião por 32 euros (pela Spirit, companhia aérea na qual voei durante esta viagem).
  • Muitos viajantes partem de Nova Orleães para a Costa Oeste (como nós fizemos) ou para a Florida de carro. O preço do aluguer de carro varia muito dependendo do número de dias, seguro e condutores, mas aqui podem comparar as diferentes empresas de aluguer e estimar o vosso custo. Uma dica: comparem sempre os preços e modelos do aluguer na estação do aeroporto e do centro da cidade. Pode variar e compensar ir buscar ao aeroporto! E atenção que existem fees por alugar o carro num ponto e entregar noutro. Tomem atenção às entrelinhas no contrato de aluguer.
  • Dentro de Nova Orleães – A orientação dentro da cidade é bastante fácil e o centro de Nova Orleães não é muito grande, portanto é fácil uma pessoa movimentar-se. O Streetcar é o principal transporte público, pelo menos, para turistas. Existem 3 linhas que atravessam os principais pontos de interesse no centro da cidade: St. Charles Street Car, Waterfront Street Car e Canal Streetcar. O bilhete único é de $1,25 e tem de ser pago na conta certa à entrada. Existem também passes diários ($3), para 3 dias ($9) e 31 dias ($55). Vejam aqui.
  • O autocarro também poderá ser uma opção, ao mesmo preço que o streetcar. Principalmente se quiserem poupar alguns dólares a vir do aeroporto. A linha que vem do aeroporto até ao centro é a E2. Vejam aqui outras linhas de autocarro.
  • Por último, alugar uma bicicleta também pode ser uma opção. Na The American Bicycle Rental Company o aluguer durante 1 hora custa $10 e durante 4 horas $25.

Ajudei-vos a planear a vossa próxima viagem com o roteiro de Nova Orleães? Se gostaram do que leram e vos consegui dar algumas dicas, sigam-me no Facebook, no Twitter e Instagram. Têm outras dicas? Deixem nos comentários. Querem saber mais? Leiam a minha experiência em Nova Orleães. Outros roteiros aqui.

Boa viagem!

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

Novidades, dicas de viagem e promoções diretamente na tua caixa de entrada. Introduz o teu e-mail para saber tudo em primeira mão.

CONTRAMAPA

13 comentários
  1. fabiojralves.com
    fabiojralves.com says:

    Adorei o post, são dicas super valiosas até mesmo para quem já conhece a região. Parabéns pelo trabalho e dedicação no contramapa.com <3

    Responder
  2. Thaís
    Thaís says:

    Eu amo os Estados Unidos, quero muito conhecer essa região principalmente no Mardi Gras. Adorei o seu post e quando eu for, volto para pegar todas as dicas. Lendo o post lembrei do desenho da Princesa e o Sapo, hehe. Abraços!

    Responder

Deixa um comentário

Gostaste do artigo?
Tens dicas para partilhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.