,

Rio de Janeiro: Ipanema e o Parque Laje

Em Novembro do ano passado, a minha empresa deu-me a oportunidade de ir ao Rio de Janeiro em projeto. Para aqueles que não sabem, trabalhei em consultoria e aproveitei dois fins-de-semana e algumas horas mortas entre trabalhos para descobrir aquela (pequena) parte do (grande) Brasil. Laurear a pevide, vá.

Vista do Hotel Royal Tulip - São Conrado, Rio de Janeiro

Fiquei alojada no Hotel Royal Tulip em São Conrado. Uma vista fantástica, mas uma localização menos ideal para quem gosta de andar a pé. Dizem que a praia de São Conrado, mesmo em frente ao Hotel, serve de esgoto à Rocinha, que já foi considerada a maior favela da América Latina. Por sua vez, a dita Rocinha começava mesmo atrás do meu Hotel. Ficámos, portanto, num enclave bastante simpático.

Mas pensam que isso abalou o meu espírito aventureiro de pioneira na América do Sul (pioneira de mim mesma, leia-se)? Nunca!

Praia de São Conrado - Rio de Janeiro

No primeiro dia de soltura, apanhei um autocarro para Ipanema, que, sem eu saber, passava pela base da favela do Vidigal – que por sinal agora está na moda com galerias de arte e festas funk todos os fins-de-semana.

Se quiserem saber mais sobre este tema, podem consultar aqui o artigo da Exame sobre o tema ou visitar o Alto do Vidigal Hostel & Bar, um exemplo da faceta “morro cool”. Segundo me contaram, a iniciativa de tornar esta favela mais atrativa a turistas e à classe média-alta brasileira partiu dos próprios traficantes, que, num golpe de estratégia de marketing, conseguem chamar os clientes até eles, em vez de se verem obrigados a vender nas ruas policiadas do Leblon e Ipanema…

Bom, depois de passar pela base do Vidigal e chegada ao paredão de Ipanema, dei de caras com a minha primeira experiência brasileira total: sol abrasador, música na rua de fontes inesperadas, culto do corpo com ginásios ao ar livre, surfistas e todo o tipo de praticantes de desporto, gente e mais gente. E a praia mesmo ali ao lado. Era Domingo, o dia ideal para mergulhar – e suar – no mundo carioca.

Praia de Ipanema, perto do Forte de Copacabana

Depois de ter almoçado por perto, segui caminho. Estava muito sol, mas mesmo assim resolvi ir explorar outra parte da cidade, mais longe da praia. Andei e andei, passei pela Lagoa Rodrigo de Freitas, que fica mesmo no meio da cidade, e fui passar o final de tarde ao Parque Lage.

Albergando uma Escola de Artes Visuais, o espaço é muito mais do que um jardim. Tem plantas tropicais que fascinam qualquer europeu, um estilo arquitectónico clássico que contrasta com a vegetação, um café de charme para um pequeno-almoço tardio (pronto, brunch) e uma vista soberba para o Cristo Redentor. Logo no primeiro dia, encontrei um sítio preferido no Rio de Janeiro.

Parque Laje - Rio de Janeiro

E o melhor é que, com a Escola de Artes Visuais, existem sempre coisas a acontecer no Parque, como exposições e festas, que reúnem os cool mais cool da cidade – mais ainda do que aqueles que vão sair para o Vidigal! Eu tive sorte e, além de ter conhecido o Parque Lage logo no primeiro dia desta viagem, voltei lá na última noite para me despedir com uma festa/ exposição/ happening e tirar algumas fotografias para a posteridade…

Parque Lage by night - Rio de Janeiro

De viagem pelo Rio de Janeiro? Conheçam também as praias de Búzios, num artigo do blog Viagens & Caminhos. Se gostaram do artigo, ajudem a crescer o Contramapa e partilhem o artigo. Podem também seguir no Facebook e no Instagram.

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

Novidades, dicas de viagem e promoções diretamente na tua caixa de entrada. Introduz o teu e-mail para saber tudo em primeira mão.

CONTRAMAPA

2 comentários
  1. carolinereisg
    carolinereisg says:

    Sensacional sua foto do pessoal no calçadão!
    Já visitei o Rio, mas não conheci ainda o Parque Lage, estive no seu “vizinho”, jardim botânico, que poderia ser mais exuberante. abraço!

    Responder

Deixa um comentário

Gostaste do artigo?
Tens dicas para partilhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.