O que fazer em Roma: 10 sítios a visitar

Roma é visitada por rebanhos de gente todos os anos e os pontos de interesse mais conhecidos da cidade só podem ser admirados se conseguirmos espreitar por cima do ombro do turista que se encontra à nossa frente.

Já fui uma dessas ovelhinhas e visitei Roma em Maio de 2008, pensando que a cidade ainda não estaria em época alta nesse mês… Enganei-me. Se se sentem sufocados com mares de gente, fujam dos meses de verão e primavera tardia, por favor! E já agora tenham alguma paciência quando visitarem os locais de interesse. Deixo-vos aqui 10 locais a visitar, para saberem o que fazer em Roma.

As fotografias são cortesia Wikicommons. Leiam também o artigo sobre as Gelatarias de Roma.

1 – Coliseu de Roma 

Na altura do Império Romano o anfiteatro gigante recebia entre 50.000 e 80.000 espectadores (um Estádio da Luz inteiro). Com 48 metros de altura, o edifício foi utilizado para espetáculos durante cerca de 400 anos e mesmo depois da queda do Império Romano, continuou a ser utilizado para outros fins que não o espetáculo… Após séculos e séculos de utilização, o Coliseu (Colosseum) foi finalmente limpo numa restauração que custou 25 milhões de euros. Está mais magnífico que nunca!

O preço de Admissão é de 12,50€ (7,50€ euros para jovens até 25 anos na UE) e inclui o acesso ao Forum Romano e ao Monte Palatino. Os jovens até aos 18 anos não pagam. Aberto todos os dias da semana, mas durante o inverno fecha bastante cedo. Poderão adquirir o bilhete online na página oficial do Coliseu. O bilhete é mais caro (16€), mas passam à frente nas filas, que aqui assumem grandes proporções.

Colosseum - Roma

2 – Basílica de San Clemente

A basílica é um local arqueológico de interesse porque, é, afinal, um conjunto de 3 edifícios construídos em 3 pisos diferentes. No topo, existe uma basílica do século XII. Por baixo da primeira basílica, temos uma segunda basílica do século IV, adaptada a partir da casa de um nobre romano – que por sua vez tinha dentro de portas uma igreja e um mitreu. Por baixo da segunda basílica, temos ainda ruínas e vestígios de uma casa romana que terá sido consumida pelas chamas no grande fogo Roma de 64 AC. Confusos? Eu também! Uma verdadeira matrioska romana.

O acesso à Igreja é gratuito, já o acesso ao sítio arqueológico tem um custo de 10€. Encerra domingo da parte da manhã.

Basílica de São Clemente, Roma

3 – Monte Palatino

Nas encostas do Monte Palatino encontram-se o Fórum Romano e o Circo Máximo. Enquanto que o Fórum era o centro da vida romana onde decorria a vida pública, o circo era outro centro de entretenimento no Império Romano.

No Forum Romano não percam a Via Sacra, a rua principal na Roma Antiga, o Arco de Tito, que comemora a vitória de Roma sobre Jerusalém, a Cúria, onde o Senado se reunia para tomar decisões e o Templo de António e Faustina, talvez o melhor preservado da época romana.

Um grande museu ao ar livre, portanto, e aberto todos os dias da semana, das 8h30 às 19h00! O bilhete de entrada é combinado com o Coliseu de Roma (preços referidos acima).

Forum Romano, Monte Palatino - Roma

4 – Museus do Vaticano

Contendo os frescos renascentistas mais conhecidos do mundo, os Museus do Vaticano são também campeões nas filas de entrada. Os museus foram criados no início do século XVI, sendo uma das maiores coleções de museus à face da terra. São visitados por cerca de 6 milhões de pessoas anualmente, muito devido à Capela Sistina. Construída na segunda metade do século XV, os frescos do teto são o ex libris da obra de Michelangelo.

É um visita imperdível, sim, e vale a pena apanha um torcicolo a olhar para as cenas da Criação de Adão e do Julgamento Final. Mas vão cedo. As mulheres devem ir com os ombros cobertos e saias abaixo do joelho, os homens devem usar calças e ter também os ombros cobertos.

A entrada nos museus do Vaticano custa 16€ e existe um preço reduzido de 8€ para estudantes até aos 26 anos. Entrada livre ao último domingo de cada mês. Nos restantes domingos estão encerrados. Na página oficial dos Museus do Vaticano encontram a informação completa. Os bilhetes simples não podem ser comprados online, mas existe uma oferta de tours e visitadas guiadas que pode ser adquirida online e pode incluir, além dos Museus, a tour na Basílica de São Pedro e à Capela Sistina. São mais caros, mas é uma forma de aprender mais e fugir às filas gigantes.

Galeria dos Mapas, Museus do Vaticano - Roma

5 – Basílica de São Pedro

Construída sobre uma igreja do século IV, a Basílica de São Pedro foi terminada em 1626, após 150 anos de construção, e é um dos marcos da cidade. A Pietà de Michelangelo está nesta basílica, tal como Cathedra Petri de Bernini.

A entrada na Basílica de São Pedro é gratuita e existem longa filas para entrar. Está aberta todos os dias do ano até às 19h00 (verão) ou 18h00 (inverno). A subida à Cúpula tem um custo de 8€ (percurso de elevador e 320 escadas) ou 6€ (percurso de 551 escadas). Tal como nos Museus do Vaticano, as mulheres devem ir com os ombros cobertos e saias abaixo do joelho, os homens devem usar calças e ter também os ombros cobertos.

Basilica di San Pietro - Roma

6 – Panteão

Com mais de 2000 anos de história, o Panteão (ou Pantheon) é o monumento melhor preservado da Roma Antiga e também um dos monumentos mais visitados. Entrada gratuita. Aberto todos os dias do ano até às 19h30. A domingo encerra às 18h00.

Pantheon - Roma

7 – Piazza della Repubblica

No centro da Piazza della Repubblica existe a Basílica de Santa Maria dos Anjos, construída a parte de um edifício de banhos públicos do Império Romano.

Piazza della Reppublica - Roma

8 – Fontana di Trevi

Construída no século XVIII, a Fontana di Trevi tornou-se um dos pontos mais conhecidos da cidade. Vale a pena uma visita, especialmente se for nocturna, quando a fonte se ilumina. É um lugar muito concorrido pelos turistas, portanto, se conseguirem visitar fora de horas, será o ideal.

Fontana di Trevi - Roma

9 – Ostia Antica

As ruínas do antigo porto da cidade de Roma datam do século IV AC e estão localizadas a cerca de 30km de Roma. Vale a pena a visita, já que o local se encontra num ótimo estado de conservação e podemos observar os frescos que existiam ao longo do porto.

O preço de admissão é 8€ (4€ para jovens da UE até aos 25 anos). Os jovens até aos 18 anos não pagam entrada. Ao primeiro domingo de cada mês, a entrada é gratuita. Encerra à segunda-feira. Os horários completos encontram-se na página oficial da Ostia Antica. Poderão também adquirir o bilhete online e imprimi-lo em casa, contudo, esta não é das atrações com mais afluência da cidade, já que se encontra bastante longe do centro.

Capitolium, Ostia Antica - Roma

10 – Villa dei Quintili

A vila romana foi construída no século II por dois irmãos, e descoberta no século XVIII, abrindo ao público como museu pouco tempo depois. Está localizada fora do centro de Roma

O preço de admissão é de 6€ (3€ para jovens da UE até aos 25 anos). Encerra à segunda-feira. Nos restantes dias, está aberto até às 16h30 (inverno) ou 19h15 (verão). Na página da Coop Culture poderão comprar a vossa entrada online previamente, contudo, esta não é das atrações com mais afluência da cidade.

Banhos, Villa dei

Se quiserem otimizar os custos em Roma e estiverem a planear utilizar transportes públicos, podem recorrer ao Roma Pass.

Existem versões para 72 horas (38,50€) ou 48 horas (28€). Além da diferença no tempo de utilização, o primeiro passe dá acesso a 2 museus, enquanto que o segundo dá acesso apenas a 1 museu. Ambos oferecem acesso ilimitado a transportes públicos, acesso às taxas reduzidas nos museus e entrada direta nos museus que ficam gratuitos com a utilização do passe (1 ou 2).

Façam as contas daquilo que querem ver em Roma e do custo de cada uma, e vejam se vos compensa! Por regra, se utilizarem transportes públicos na vossa viagem, vai compensar, ainda que os Museus do Vaticano não estejam incluídos neste passe.

Gostaram de algumas das dicas de Roma? Já sabem o que fazer em Roma? Leiam também as minhas sugestões de gelatarias em Roma. Podem também seguir o Contramapa no Facebook e no Twitter.

Mapa de Roma século XVIII

Chamo-me Diana.Gosto de ler, gosto de escrever e tenho ganho o gosto de viajar. Decidi juntar as histórias acumuladas neste espaço e chamei-lhe Contramapa. Porque nas contracapas dos meus livros existe sempre um mapa, um sítio onde ir, um local a descobrir. Aqui podem conhecer as minhas histórias e viagens em livro aberto.

Novidades, dicas de viagem e promoções diretamente na tua caixa de entrada. Introduz o teu e-mail para saber tudo em primeira mão.

CONTRAMAPA

0 comentários

Deixa um comentário

Gostaste do artigo?
Tens dicas para partilhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.